“As doenças não precisam de passaporte”

“As doenças não precisam de passaporte” é a mais recente campanha da Sanofi Pasteur que pretende alertar quem viaja para a importância da Consulta do Viajante. Esta iniciativa visa destacar esta consulta como uma forma de prevenir doenças como a Hepatite A, Febre Tifoide, Cólera, Febre-amarela, entre outras, associadas a certos destinos.

A consulta do viajante informa quem viaja para os riscos de saúde que pode encontrar no destino, riscos que são muitas vezes subestimados e podem ser minimizados através de medidas preventivas.

“Uma das medidas preventivas que podemos destacar, quando falamos da consulta do viajante, é a vacinação, para evitar imprevistos durante a viagem. A vacinação é um ato simples que nos protege contra patologias infeciosas e que colocam em risco, não só a nossa saúde, como a de quem nos rodeia. Com esta campanha pretendemos sensibilizar quem viaja para a importância de incluir na sua checklist a marcação da consulta do viajante; esta deverá ser encarada como uma prioridade para garantir uma viagem repleta de boas memórias”, refere Sylvia Lin, diretora-geral da Sanofi Pasteur Portugal.

Porque prevenir é proteger, a campanha dirige-se a famílias, amigos, aventureiros, de todas as idades, ou seja a todas as pessoas com vontade de viajar, incentivando a prevenção antes de embarcar numa viagem de sonho.

Assinada pela agência de comunicação integrada Bee, a campanha “As doenças não precisam de passaporte”, conta com formato digital, presente em plataformas online e nas redes sociais, estando a partir de amanhã também presente em mupis, na grande Lisboa e Porto, e ainda nos painéis dos comboios da linha de Cascais, Sintra e Porto.


NESTA SECÇÃO

Em tempo de Covid, “contar carneirinhos” não chega

Março é um mês de mudança, onde a primavera bate à porta e o sol começa, timidamente, a apar...

Reabriu a extensão de saúde do Reguengo do Fetal

A extensão de saúde do Reguengo do Fetal reabriu no dia 15 de março, após obras de conservaç...

Antibioterapia. Da farmacologia à terapêutica: o melhor uso possível

Conhecemos hoje, melhor do que nunca, a população microbiológica associada aos doentes com i...