José Travaços Santos

Apontamentos sobre a História da Batalha (172)

Divagação sobre D. Afonso V (E a Batalha)

 

D. Afonso V.

 

“Ceuta não voltará jamais… aos infiéis” Último cavaleiro medieval, a derradeira demanda do Graal foi a razão que me impelia. Devoto de Catarina de Alexandria, jurei pelo seu martírio na roda dos punhais cruéis, que Ceuta jamais voltaria às mãos dos infiéis. Cumpriu-se a minha fé em Ceuta, mas no meu reino não se cumpriria.

Antes de mais uma necessária emenda nos versos sobre D. Manuel I, publicados no número de Junho: onde se lia “para que a ventura/ me falou” devia estar “para que a ventura/ me fadou”.

1446, em Janeiro, é o ano em que D. Afonso V tendo atingido a maioridade, no seu caso e no seu tempo os 14 anos, assumia o Poder, sucedendo à regência do notável Infante D. Pedro (o das “Sete Partidas”), seu tio paterno e que havia de ser, também, seu sogro. D. Pedro governara desde 1439, proclamado “regedor e defensor do reino” nas cortes de Lisboa realizadas nesse ano.

Afastado o regente D. Pedro, que se recolhe ao seu ducado de Coimbra, o jovem rei é submetido à tutela de D. Afonso, conde de Barcelos e primeiro duque de Bragança, à dele e à do seu partido em que pontificavam também o conde de Ourém, filho do conde de Barcelos, e o arcebispo de Lisboa.

Perdida a influência do Infante D. Pedro, o partido do conde de Barcelos, partido dos interesses senhoriais, domina o jovem rei levando-o ao trágico desfecho de Alfarrobeira, em 20 de Maio de 1449, em que perde a vida o Infante e, com ele, muitos dos seus apoiantes. Inverte-se, então, e por alguns anos, a linha política e o rumo social nascidos da revolução de 1383/1385.

E abro um parênteses: desta linha e deste rumo, impulsionados pelo Mestre de Avis e continuados pelos seus filhos D. Duarte I e Infante D. Pedro, surge uma instituição sobre a qual estranho os historiadores pouco se debruçarem. Trata-se da Casa dos Vinte-e-Quatro, de âmbito concelhio mas de vincada influência sobre o Poder real, como era o caso da primeira que o próprio D. João I cria em Lisboa, cujo juiz, o designado juiz do Povo, escolhido entre os seus pares, que a ela presidia, frequentava as audiências reais dos sábados, aí apresentando livremente as queixas, as reclamações, os pedidos e as sugestões populares.

Instituição muito original, existiu ainda por alguns séculos, com altos e baixos, ao longo da dinastia de Avis e ainda em parte da dinastia de Bragança até aos séculos XVIII. A sua composição era, na maior parte dos casos, de 24 representantes, daí o nome, das 12 corporações dos ofícios, mas havia as constituídas só por 12 elementos. Tinha também o direito de interferir nas deliberações municipais sobretudo nas que respeitavam aos direitos dos mesteirais. Houve Casas dos Vinte-e-Quatro e dos Doze, além de Lisboa, no Porto, em Coimbra, em Guimarães, em Lamego, em Évora e até em Goa, entre outras.

Uma das obras de referência sobre esta matéria é a do Professor Doutor Marcello Caetano “Crise Nacional de 1383-1385 – Subsídios para o seu Estudo” (edição da Verbo). Repito: escasseiam, deploravelmente, os estudos sobre a Casa dos Vinte-e-Quatro, e de tal forma que a instituição é hoje praticamente desconhecida nas nossas Escolas. Fugi, porém, ao assunto.

Ora, morto o Infante D. Pedro, na chamada batalha de Alfarrobeira, assim designada por se ter travado junto ao ribeiro de Alfarrobeira, próximo de Alverca, esteve o seu corpo insepulto por 3 dias e depois transportado para a igreja de Alverca onde foi enterrado. Mais tarde, em segredo, os seus restos mortais são trasladados para o castelo de Abrantes onde permanecem até 1455, sendo, neste ano, por insistência da Infanta D. Isabel, notabilíssima princesa filha de D. João I e de D. Filipa de Lencastre, e ainda hoje lembrada duquesa de Borgonha pelo seu casamento com Filipe o Bom, que D. Afonso V consente na sua trasladação para a Capela do Fundador do Mosteiro.

Ocupado, porém, o espaço que me está reservado, continuarei sob o mesmo tema, no próximo número, se Deus quiser.

Peça a peça, o Museu Etnográfico da Alta Estremadura

Ainda na divisão das miniaturas, onde se expõem centenas de pequenas peças, muitas com valor não só documental mas artístico, mostra-se a vitrina dedicada às festividades e às manifestações populares que as rodeiam.

Na prateleira de cima, a “oferta” com bolos de “ferradura” ou de “noiva”, a cesta com as merendeiras bentas e o coreto com os seus músicos de filarmónica, as tão apreciadas e valiosas filarmónicas que tão notável serviço prestam na formação da sensibilidade e na educação musical. Na prateleira seguinte, a procissão, obra dum barrista portuense, com dezenas de figuras, o pálio, as cruzes processionais, as imagens, os anjinhos, o sacerdote com o Santíssimo, nada lhe faltando. Em baixo, os lançadores de balões de ar quente e os fogueteiros, trabalho executado pelo destacado elemento do Rancho Rosas do Lena e mestre de concertinas e harmónios Joaquim Moreira Ruivo, que se tem dedicado à investigação etnográfica na nossa região sobretudo no que concerne aos instrumentos musicais populares. Joaquim Ruivo é desde há vários anos conselheiro técnico da Federação do Folclore Português e colaborador, na recente página sobre o Folclore regional publicada quinzenalmente no “Região de Leiria” e coordenada pelo jornalista Manuel Leiria, focando as suas recolhas sobre os instrumentos musicais.

Em 5 de Agosto, no largo do Condestável, na Batalha, o Rancho Rosas do Lena promove mais uma edição das Galas Internacionais de Folclore, a 32ª, com o habitual patrocínio da Câmara Municipal, da Junta de Freguesia e do Mosteiro de Santa Maria da Vitória.


NESTA SECÇÃO

Exposição liga Batalha aos principados romenos

Está patente no mosteiro uma exposição intitulada “Os principados romenos no tempo da constr...

Destino de alguns valores do Mosteiro de Santa Maria da Vitória

Universalidade de Portugal Não sei se Portugal pode cumprir outra missão, servir ou...

Infante D. Henrique, Imperador de novos mares e de novos céus

Infante D. Henrique   “Talant de bien faire”   Tive a vocação do bem.   ...