João Ramos

Fisioterapeuta

Disfunções temporomandibulares

As dores orofaciais, entre elas as disfunções temporomandibulares, constituem um problema de grande importância de saúde pública. Estima-se que um terço da população mundial apresente sintomas relacionados com esta condição, caracterizada principalmente por: dor muscular e articular, limitação da mobilidade mandibular e ruídos articulares. Muito frequentemente estão também associadas a outros sintomas que afetam a região orofacial e cervical, como cefaleias, sintomas relacionados com o ouvido e disfunções cervicais.

As disfunções temporomandibulares são a causa mais frequente de dor não dentária na região oro-facial e para tratá-la é necessário compreender a sua etiologia e estabelecer um processo sistemático para o diagnóstico diferencial.

O tratamento de dores orofaciais crónicas não pode nem deve ser realizado de maneira isolada. em situação normal prevê-se que o médico dentista atue em consonância com o cirurgião maxilo-facial, o fisioterapeuta, o terapeuta da fala, o psicólogo, entre outras àreas que se considerem específicas para o caso clínico.

Apenas dentro deste raciocínio poderemos contemplar aquilo que é o maior desafio: o alívio da sintomatologia e melhoria da qualidade de vida do paciente.

No que respeita ao trabalho do fisioterapeuta, enquadra-se na componente de tratamento conservador e não invasivo do processo de recuperação do paciente com disfunção temporomandibular. A intervenção da fisioterapia tem como objectivos: diminuir a dor músculo-esquelética; promover o relaxamento muscular; melhorar o controlo e função muscular; e maximizar a mobilidade articular. Esta reabilitação da articulação temporomandibular terá que ser feita por um fisioterapeuta com formação específica nesta área.

O programa de tratamento em pacientes com difunção temporomandibular engloba (para além da abordagem direta na articulação temporomandibular) também o tratamento dirigido à coluna cervical e torácica e ainda, a correção postural.

Devido aos condicionalismos dos sistemas de saúde, a algum desconhecimento ou imprecisões de diagnótico, grande percentagem dos pacientes não é adequadamente encaminhada. Muitas vezes o fator tempo é determinante e uma atuação precoce influencia positivamente os resultados obtidos.

É fundamental informar os pacientes para melhorar todo o processo. Se apresentar algum dos sintomas referidos, procure ajuda médica.


NESTA SECÇÃO

Diabetes: um dia sem açúcar em família

A International Diabetes Federartion (IDF) comemora anualmente no dia 14 de novembro o Dia M...

Consulta pré-concecional: O que é? Qual a importância?

Já lá vai o tempo em que não era possível programar o nascimento de um filho. Não havia méto...

Maioria tem falta de dentes e há mais a não irem ao dentista

Mais de 30% da população revela que nunca vai ao médico dentista ou apenas vai em caso de ur...