A Opinião de António Lucas

Ex-presidente do Município da Batalha

Deselegância na política

Na passada semana [início de novembro] assistimos a ações do Presidente da República indicadoras que algo pode não estar muito bem para os lados do Palácio de Belém.

Uma delas, foi o cumprimento/puxão que deu ao fundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, em pleno palco do evento. De tal modo forte que ia fazendo cair o interlocutor.

A segunda foi o enorme puxão de orelhas que deu em público à ministra da Coesão Territorial, sobre a aplicação dos fundos comunitários do PRR - Plano de Recuperação e Resiliência, como se dependesse apenas dela a boa aplicação dos fundos. Como diz o povo, "não havia necessidade".

Este tipo de atitudes, para citar apenas dois exemplos, não abonam muito ao comportamento do primeiro magistrado da nação.

Esperemos que com o avançar do tempo, a caminho do fim deste segundo e último mandato, estas situações não sejam replicadas. É claro que o Presidente não faz parte de nenhum órgão colegial e, assim, não tem de prestar contas a ninguém, nem de articular posições, indo ao encontro dos projetos previamente definidos com os restantes elementos da equipa.

Este é o único caso em que estas situações acontecem, porque em todos os restantes o líder/presidente representa órgãos colegiais aos quais tem/deve prestar contas e ser a voz desses órgãos.

Quero com isto dizer que os órgãos colegiais só funcionam se existir sintonia e articulação na gestão, levando em linha de conta a opinião de todos os que garantem as maiorias e votam em sintonia de forma a que os projetos sejam aprovados e posteriormente executados.

Quando apenas de um, ou de um número de elementos que não garanta a maioria, atuem como se fossem donos das opiniões dos restantes, no momento em que as vozes discordantes se cansarem, deixa de existir maioria e as condições de governação alteram-se profundamente. Por estas e outras razões, já assistimos a gente poderosa ficar sozinha e sem qualquer capacidade de atuação.

A boa gestão acontece quando se leva em consideração as diversas opiniões, retirando de cada uma o que tiver de positivo e melhorando ou até esquecendo a ideia inicial, se for o caso. Ou então a ideia inicial é tão boa que não mereceu qualquer tipo de crítica, podendo avançar para a sua realização, com a garantia de que é mesmo a melhor para o povo.

A democracia é tão só a inexistência de deselegância na política, é o respeito pelas opiniões e ideias positivas e que valorizem os projetos, acrescentando-as para os melhorar e para reduzir os gastos desnecessários ou que não potenciem o que é importante para os cidadãos.

 

 


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...