“Criatividade às vezes é tramada porque pode dar muito trabalho”

Inês Ribeiro, de 36 anos, é uma artista da nossa região que vive em São Miguel, nos Açores. É licenciada em Artes Plásticas, pós-graduada em Filosofia para Crianças e formada em Cerâmica Criativa Pelo CENCAL. Desde 2004 desenvolve projetos na área da ilustração e da cerâmica, e desde 2007 trabalha também na área da Educação. Em 2015 venceu o 1º prémio, na categoria de Design de Cerâmica, na 5ª edição do Concurso Labjovem.

Quais são as suas ligações à Batalha? Sempre me desloquei e desloco muito à Batalha, apesar de ser da Maceira (Leiria), onde estudei em pequena. Mas grande parte dos meus amigos são da Batalha, aqueles que visito e com quem estou quando venho ao continente. Fiz parte de uma associação cultural na Batalha e estudei em Leiria, onde também conheci pessoas da Batalha.

É uma ligação afetiva? Sim, que se mantém, embora fosse mais intensa antes de eu ir para os Açores em 2009.

Como descobriu a sua vocação artística? Sempre percebi que queria criar coisas e inventar histórias. Fiz o Ensino Secundário em Artes (quando saí do 9º ano da Maceira para o 10º ano em Leiria). Depois estive um ano em Castelo Branco, em Design de Moda e Têxtil, e de seguida fui para as Caldas da Rainha, para um curso de artes plásticas, onde me especializei sobretudo em técnicas de impressão na Escola Superior de Arte e Design/IPLeiria. Após este curso, entrei no CENCAL, onde fiz um curso de Cerâmica Criativa, sucedido de um estágio no Alentejo, em São Pedro do Corval, a capital ibérica da cerâmica e do barro. Estagiei e permaneci a trabalhar com o meu mestre, Joaquim Tavares.

Começou muito cedo? Comecei cedo mas não comecei logo a fazer estes desenhos. É um percurso. Até não me agradavam muito os meus desenhos, mas gostava de inventar e de pôr em desenho algumas histórias. Mas até o conseguir foi um caminho grande.

Desenvolve outras atividades? Sim, dei aulas de Educação Visual e Expressão Plástica. Mais tarde consegui um horário completo numa escola nos Açores e fui para lá. A educação está sempre presente na minha vida, tanto de adultos, como de crianças, a nível de formação e de aulas. Este último ano trabalhei com documentação de arquivo, num espólio sobre história dos Açores. Desde que estou nos Açores dou aulas, formação e desenvolvo o meu trabalho artístico, no meu atelier. Tenho trabalhado sobretudo na áreas da ilustração, cerâmica e educação.

Qual das áreas prefere: ilustração ou cerâmica? Ambas. No fundo, o meu trabalho de cerâmica é o mesmo que o meu trabalho de ilustração em papel, os materiais é que são diferentes e têm as suas especificidades. O que eu procuro sempre é fazer valer a minha linguagem, que sai naturalmente.

É como se fossem a mesma arte? Não, a cerâmica é uma extensão da ilustração onde existe uma linguagem que prevalece. Mas é indiscutível que são da mesma pessoa.

Quais são as suas fontes de inspiração? A criatividade às vezes é tramada porque pode dar muito trabalho. Às vezes passamos horas a pensar se vai ser azul ou verde, porque pode fazer toda a diferença. Pode haver tempos de bloqueio e depois num pequeno momento surgir a ideia. E há o trabalho. Se houver sempre trabalho diário, estamos hoje a fazer uma peça e já a ter ideias para amanhã. A inspiração é uma sucessão de vivências.

Quais são os pontos mais importantes da sua carreira? Um dos pontos importantes é ser convidada desde a primeira edição do Azores Fringe Festival que decorre no Pico há cinco anos. É um festival de criação, que inclui iniciativas musicais, teatrais… é dedicado às artes em geral. Outro ponto importante foi ter ganho o prémio do Labjovem e a participação no Fringe Festival, em Edimburgo (Escócia), considerado o maior festival de artes da Europa. Também gostei bastante de ser convidada para interpretar em cerâmica uma obra do pintor açoriano Domingues Rebelo.

Dedica-se às artes há 20 anos. Como imagina o seu futuro? Sim, com formação há menos. Por enquanto continuarei como estou, o depois depende sempre das oportunidades de trabalho.

E da Educação? É uma área que me dá sempre um gozo enorme. Há quatro anos fiz também uma pós-graduação em Filosofia para Crianças, uma área na qual que pretendo aliar a criatividade ao desenvolvimento do pensamento, sobretudo com o público infantil. O objetivo é toldar consciências a longo prazo porque se nós habituamos uma criança pequenina a questionar-se e a questionar as suas escolhas, isso terá reflexos no futuro individual e coletivo.

Há momentos em que questiona as suas escolhas? Às vezes questiono-me por que sou artista, que é um matutar constante. Às vezes questiono-me se não seria melhor trabalhar numa loja. Mas, o que eu mais gostava era de poder viver só da criatividade.

A criatividade suscita-lhe dúvidas? O meu problema, muitas vezes, nem é a criatividade, são as dúvidas que suscita, a vários níveis.


NESTA SECÇÃO

Carnaval põe 1.500 miúdos e graúdos a desfilar na vila

O Carnaval na Batalha volta à rua e promete diversão para todas as faixas etárias, com uma p...

Exploração da Barrosinha chumbada de vez

O projeto de exploração da pedreira da Barrosinha, na freguesia de Reguengo do Fetal, foi fo...

Menina de um ano morre atropelada por empilhadora

Uma menina de um ano de idade, natural de Casal do marra, no Concelho da Batalha, morreu no ...