Concelho recusa plantação de mais 20 hectares de eucalipto

A Câmara da Batalha “discorda” da proposta de Plano de Ordenamento Florestal do Centro Litoral (PROF), nomeadamente no que respeita ao aumento da área de eucalipto no concelho.

O município, em comunicado divulgado mo dia 11 deste mês, “considera que o plano não cumpre as suas funções ao nível da definição de categorias de espaço florestal, nem se compatibiliza com a legislação de defesa da floresta contra incêndios”.

Para a autarquia, “no âmbito da análise técnica e política da proposta de plano do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, o PROF é muito vago relativamente às regras para a ocupação do solo em função das categorias de espaço previstas nos planos diretores municipais”.

Por outro lado, refere o presidente da câmara municipal, “um plano de ordenamento florestal deve categorizar as ocupações do solo em função da sua apetência e de modo a garantir a defesa da floresta e dos aglomerados populacionais relativamente aos incêndios florestais” e o “PROF ignora esse objetivo estratégico nacional e nesse particular é um mau plano”.

A autarquia, “como foi igualmente avaliado pelos serviços técnicos da CIMRL, não percebe a opção pelo aumento do eucalipto nos 10 concelhos abrangidos, principalmente porque o eventual aumento deverá ser definido por sub-região homogénea”.

Para Paulo Batista Santos, “é incompreensível que para a Batalha seja considerado um aumento de 20 hectares (dos atuais 475 hectares, propõe-se que passe para 495 hectares) de área a ocupar por eucalipto, quando a área existente já é excessiva”.

No parecer aprovado pela autarquia, “este plano é um documento fundamental para o ordenamento do espaço florestal e deve servir de base para a apreciação dos projetos de arborização e rearborização, pelo que entende que deve garantir medidas como “a proibição de arborização com espécies de crescimento rápido nos espaços agrícolas, pelos prejuízos que estas espécies provocam nos solos, na disponibilidade de recursos hídricos e no ensombramento relativamente às culturas agrícolas”.


NESTA SECÇÃO

Estudo de impacto ambiental da Barrosinha à beira do chumbo

O pedido de licenciamento da pedreira da Barrosinha, na freguesia de Reguengo do Fetal, está...

Pedreira da Barrosinha pode acabar em tribunal e com indemnizações

Há intervenções e decisões promovidas até agora por algumas entidades públicas e privadas no...

Câmara compra edifícios frente ao parque escolar

A Câmara da Batalha anunciou no dia 10 de outubro que investiu 47.700 euros na aquisição de ...