Concelho quer gás mais barato para quem precisar

A Câmara da Batalha manifestou à Direção Geral de Energia e Geologia a sua intenção de aderir ao “Projeto Piloto da Tarifa Solidária de Gás Engarrafado”, que prevê a criação da tarifa solidária de gás de petróleo liquefeito (GPL) a aplicar a clientes finais economicamente vulneráveis.

A criação do projeto-piloto, revelou o município a 15 de julho, tem a duração de um ano, estando confiado às autarquias o cumprimento de um conjunto de obrigações, tais como, dispor de instalações que reúnam as condições técnicas e de segurança necessárias à comercialização de GPL engarrafado.

Aos municípios cabe ainda proceder à cobrança da tarifa solidária junto dos respetivos beneficiários, mantendo o registo contabilístico das transações, e devolver mensalmente os montantes ao operador.

Cada beneficiário da tarifa social terá direito mensalmente, e no máximo, a três garrafas de tipologia T3 (de 8 a 15 Kg) e uma de tipologia T5 superior a 15 Kg.

Nos agregados familiares constituídos por mais de quatro membros, o limite aumenta para quatro garrafas da tipologia T3 por mês ou 16 garrafas da tipologia T5 por ano.

“Atendendo à sua componente social, esta medida é positiva, razão pela qual colheu da câmara aceitação”, explica o presidente do município, Paulo Batista Santos.

O projeto-piloto envolve sete municípios portugueses e três empresas comercializadoras de gás.


NESTA SECÇÃO

Abertas as candidaturas ao Orçamento Participativo

As candidaturas ao Orçamento Participativo da Batalha (OPB), que tem “o intuito de incentiva...

Câmara termina ano com saldo global de 1,3 milhões de euros

A Câmara da Batalha registou um montante e 15 milhões de euros de execução orçamental e ence...

Desemprego atinge 231 pessoas e está em queda no concelho

O concelho da Batalha tinha em novembro menos 18 desempregados do que no mês homólogo do ano...