Concelho pode candidatar-se a meio milhão para projetos rurais

A Associação de Desenvolvimento da Alta Estremadura (ADAE) tem abertas até 30 de setembro as candidaturas ao programa “ADAE Rural 2020”, de apoio a projetos de investimento relativos à “Diversificação de atividades na exploração agrícola” e “Renovação de aldeias”, que têm uma dotação global de investimento público de 452 mil euros.

No caso da da iniciativa “Renovação de aldeias”, as “candidaturas devem prosseguir o objetivo de preservar, conservar e valorizar os elementos patrimoniais locais, paisagísticos e ambientais, bem como dos elementos que constituem o património imaterial de natureza cultural e social dos territórios”, segundo o texto do concurso.

“A tipologia de intervenção a apoiar respeita a investimentos em recuperação e beneficiação do património local, paisagístico e ambiental de interesse coletivo e seu apetrechamento, sinalética de itinerários paisagísticos, ambientais e agroturísticos e elaboração e divulgação de material documental relativo ao património alvo de intervenção, incluindo ações de sensibilização, produção e edição de publicações ou registos videográficos e fonográficos com conteúdos relativos ao património imaterial”.

O apoio abrange ainda “outros investimentos relativos ao património imaterial, nomeadamente aquisição de trajes, estudos de inventariação do património rural, bem como do "saber-fazer" antigo dos artesãos, das artes tradicionais, da literatura oral e de levantamento de expressões culturais tradicionais, imateriais, individuais e coletivas”.

O custo total elegível tem de variar entre cinco mil e 200 mil euros, sendo a dotação orçamental de 352.560 euros (despesa pública). No caso do concelho, são abrangidas as freguesias da Batalha, Reguengo do Fetal, São Mamede e Golpilheira.

No que respeita “À diversificação de atividades na exploração agrícola”, que abrange a mesma área, “as candidaturas devem estimular o desenvolvimento de atividades que não sejam de

produção, transformação ou comercialização de determinados produtos agrícolas, criando novas fontes de rendimento e de emprego e contribuir diretamente para a manutenção ou melhoria do rendimento do agregado familiar, a fixação da população, a ocupação do território e o reforço da economia rural.

A intervenção a apoiar - a dotação total é de cem mil euros de despesa pública - tem de respeitar a investimentos em atividades económicas não agrícolas nas explorações agrícolas cujo custo total elegível varie entre 10 mil e 200 mil euros. As atividades económicas elegíveis são as seguintes: unidades de alojamento turístico nas tipologias de turismo de habitação, turismo no espaço rural nos grupos de agroturismo ou casas de campo, alojamento local, parques de campismo e caravanismo e de turismo da natureza nas tipologias, serviços de recreação e lazer, entre outros.

 


NESTA SECÇÃO

Comunidade intermunicipal distribui 1.515 tablets

A Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL), que engloba a Batalha, distribuiu 1...

Turismo quer dinamizar caminhos de fé e espiritualidade

O Turismo Centro de Portugal apresentou no dia 5 de junho a estratégia de promoção dos Camin...

Revitalização da Golpilheira em discussão pública

Está a decorrer até ao dia 30 de junho o período de discussão pública dos projetos submetido...