Centro de saúde vai receber obras no valor de 75 mil euros

O edifício onde funciona o Centro de Saúde da Batalha “necessita de intervenção física para requalificar as condições de acessibilidade indispensáveis para prestar os devidos cuidados de saúde à população”, considera, em comunicado, o município.

Neste sentido, “dando sequência às novas competências que decidiu aceitar na área da saúde”, a autarquia anunciou que “irá assumir a responsabilidade na execução de intervenções de remodelação da USF Condestável, no Centro de Saúde da Batalha”.

O procedimento concursal, a ser lançado pelo Município da Batalha, prevê um investimento de cerca de 75 mil euros, incluindo diversas obras de conservação, pinturas e a instalação de um elevador de acesso ao primeiro piso. A autarquia estima que o prazo da conclusão das obras não ultrapasse o final do primeiro trimestre de 2020.

O município decidiu também apresentar uma candidatura ao Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública, para aquisição de uma nova viatura elétrica para servir o apoio logístico da USF Condestável, na prestação de cuidados de saúde domiciliária.

“Como contrapartida, será abatida uma viatura a gasóleo com 22 anos, cumprindo assim o objetivo municipal da descarbonização”, destaca a autarquia.

“A assunção desta responsabilidade reflete a preocupação da câmara municipal com a defesa, proteção e promoção do direito que os munícipes têm à prestação dos cuidados mais elementares na saúde”, diz o presidente da autarquia, Paulo Batista Santos.

O Centro de Saúde da Batalha integra o Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Litoral, da Administração Regional de Saúde do Centro.

Autarca reclama médico para assegurar São Mamede

O presidente da Câmara da Batalha reclamou no dia 23 de setembro, junto da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, a colocação de um médico para assegurar um ficheiro de 1.750 utentes da USF Condestável, para a Extensão de Saúde de São Mamede.

Numa comunicação que dirigiu à presidente do conselho diretivo da ARS do Centro, Rosa Maria dos Reis Marques, Paulo Batista dos Santos considera a atual situação da “maior gravidade, pela ausência de acompanhamento clínico destes utentes que persiste desde o mês de junho, o que tem gerado uma forte apreensão junto das populações locais”.

O autarca recorda que são conhecidas várias diligências encetadas pelos responsáveis locais da USF Condestável, na procura de uma solução para os utentes de São Mamede sem médico, embora sem qualquer evolução até à presente data, o que considera “inaceitável”.

Por isso, “exige a urgente decisão quanto à mobilidade de um médico para a extensão de Saúde de São Mamede, cuja ausência prolongada de resposta agrava, cada dia que passa, o sentimento de abandono por parte dos utentes daquela unidade de Saúde”.

Por fim, o presidente da câmara anuncia que o município “prepara novos investimentos no apoio à missão do Ministério da Saúde ao nível dos cuidados de saúde primários no âmbito da descentralização de competências, embora, nestas circunstâncias da mais completa indiferença, torna-se impossível desenvolver com sucesso esta parceria”.


NESTA SECÇÃO

Pedreira da Barrosinha pode acabar em tribunal e com indemnizações

Há intervenções e decisões promovidas até agora por algumas entidades públicas e privadas no...

Ninguém quer a exploração de pedra na Barrosinha

A Assembleia de Freguesia do Reguengo do Fetal recusou por unanimidade a exploração da pedre...

PSD ganha no concelho mas perde votos

O PSD venceu as eleições legislativas na Batalha, disputadas no dia 6 deste mês, com 39,77% ...