Vítor Correia (Gestor de empresas)

A Equação para os Negócios

A bazuca: o rato que pariu a montanha

A bazuca anda na boca do povo: trata-se dos dinheiros da União Europeia que vêm para suportar a recuperação económica após a pandemia. No entanto, o tema tem vindo a desapontar. A montanha pariu mesmo um rato já que não chegará para beneficiar a economia real. Ao contrário, na Batalha o milagre da bazuca é bem real e por cá o rato já vem parindo a montanha há oito anos.

Permitam-me dar um passo atrás na história e introduzir o tema do qual ninguém gosta: impostos. Os impostos municipais estiveram na origem de tumultos no Reino Unido no início dos anos 90. Com dificuldades em financiar os serviços municipais e com a população violentamente contra o aumento de impostos sobre o rendimento, Margaret Thatcher e depois John Major, instituíram o Imposto Municipal (Council Tax) sobre o valor das propriedades. Em Portugal, o mal-afamado IMI surge também, mais ou menos, na mesma altura e pela mesma razão – é a forma que o Estado tem de cobrar impostos de forma quase indireta, para manter os serviços locais a funcionar sem tocar na diva dos escalões de IRS.

O tema reveste-se ainda de maior importância quando, contando com os grandes impostos e impostozinhos, taxas e taxinhas, nos últimos cinco anos de governação socialista atingimos valores históricos da carga fiscal para perto dos 35% do Produto Interno Bruto. Um caso que a própria OCDE classificou de anormal porque está longe de cobrir a despesa. O IMI representa cerca de 10% desta carga fiscal.

Em Portugal ou em além fronteiras, a maioria está de acordo - ninguém gosta de impostos! Mas se temos de os pagar, então, que paguemos o menos possível e que este dinheiro seja bem gerido. E se vos disser que se consegue fazer o milagre multiplicador da bazuca? Por cada Euro que pagamos de impostos municipais, podemos ter até 6,66 euros gratuitos?

Este suposto milagre não se consegue sem sacrifícios. A generalidade da população compreende a dificuldade de obter e a dificuldade de operar com fundos comunitários, dado que estes mecanismos de financiamento sofreram uma evolução estrondosa desde os anos 90. Com a escassez de financiamento e com má utilização e até fraudes, estes mecanismos têm vindo a evoluir em complexidade. E de uma maneira ou de outra, Portugal já não concorre pelo financiamento numa Europa a 12 mas sim numa Europa a 27. Numa Europa a 27 que também distribui e financia projetos em países externos e vizinhos como por exemplo a Sérvia ou Turquia.

Como tal, são necessárias equipas dedicadas a preparar propostas complexas que expliquem o como, quando e porquê de tal projeto merecer ser financiado. Estas propostas concorrem com muitos outros projetos e tem de haver fatores diferenciadores significativos para o dinheiro vir cá e não para outro lado. É uma competição, às vezes, à escala Europeia.

Nos últimos oito anos, a equipa liderada pelo executivo camarário tem andado com os ombros bem doridos com o peso de lutar, trabalhar e operar as bazucas. Foram mais de 10 milhões de euros angariados em oito anos – o resultado de muitas candidaturas apresentadas, algumas perdidas e muitas ganhas. Depois, têm de se realizar os projetos financiados sob normas e procedimentos estritos para que uma má prestação não impeça acesso a futuro financiamento. As bazucas na Batalha têm tido a capacidade de alivar as contas camarária, de avançar mais cedo com projetos e obras sem penalizar o contribuinte, isto é, fazer muito mais por menos. É dinheiro também injetado na economia real dado que é utilizado na contratação de empresas e entidades públicas. E, desengane-se quem pense que só os países menos ricos da União Europeia utilizam estes mecanismos. Um pouco por toda a Europa, dos países mais ricos aos mais pobres, todos utilizam estes financiamentos.

Dos principais projetos na Batalha financiado por entidades externas podemos salientar alguns financiados em 85% por fundos comunitários: a requalificação do campo de futebol velho e transformação em parque de eventos; a remodelação da sede do Agrupamento de Escolas da Batalha e construção de raiz do Centro Educativo do Reguengo do Fetal; a criação da Loja do Cidadão.

Esperando-se ou não pela grande bazuca do Governo para a recuperação após pandemia, a Batalha continuará a inovar e estar à frente. No orçamento de câmara para 2021 existem mais uma série de projetos inscritos que vão contar com o financiamento externo e há cerca de 6,2 milhões de euros em candidaturas a aguardar resultado.

 


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...