Batalha solidária como o povo de Moçambique

A Assembleia Municipal da Batalha aprovou um voto de solidariedade com o povo e as autoridades moçambicanas, afirmando que “foi com profunda consternação que assistimos às trágicas consequências da passagem do ciclone Idai, provocando centenas de vítimas mortais, milhares de feridos e um expressivo número de deslocados, assim como avultados prejuízos materiais”

“A dimensão da tragédia interpela-nos particularmente, porque se trata do povo irmão de Moçambique, país que acolheu e continua a acolher muitos portugueses, alguns dos quais batalhenses, que também sofrem com as consequências do ciclone”, afirmam os autarcas da Batalha.

A assembleia municipal decidiu ainda recomendar à câmara que, face à “dimensão da devastação e da tragédia humanitária que o ciclone provocou, e continua a causar, que o município se possa associar, na medida em que seja possível, ao projeto 'SOS Moçambique - Vamos todos ajudar', lançando pela Associação nacional dos Municípios Portugueses (ANMP)”.

Nesta altura, decorrem ainda muitos esforços das autoridades moçambicanas e da comunidade internacional para prestar auxílio às muitas vítimas e para repor o fornecimento de bens alimentares, água, medicamentos, energia e comunicações, em particular nas zonas mais afetadas pela catástrofe, referem os subscritores da proposta, apresentada pela bancada do PSD.


NESTA SECÇÃO

Modelo para os efluentes suinícolas “desresponsabiliza os produtores”

O presidente da Câmara Batalha “não acredita na solução” apresentada pelo Governo para o tra...

Agredia e ameaçava de morte a mãe há uma década

Um homem foi detido pela GNR esta quarta-feira, 11, no Concelho da Batalha sob suspeita de a...

Padre deixa a Batalha após 38 anos na paróquia

O padre José Gonçalves deixa a Batalha, 38 anos após ter assumido os destinos da paróquia, n...