Batalha quer provar “vantagens” de travar A19

A Câmara da Batalha pretende apresentar “um estudo técnico” que demonstre as “vantagens económicas e ambientais” que resultariam do cancelamento da concessão da A19, revela o presidente da autarquia num esclarecimento enviado à Assembleia Municipal, lamentando que “não esteja prevista” pelo Governo a suspensão das portagens na variante da Batalha.

Em resposta a uma pergunta do partido “Os Verdes”, na Assembleia da República, o Governo respondeu na sexta-feira, 12, que “não está prevista a suspensão de portagens no troço em referência da A19”.

O autarca Paulo Batista Santos adianta, numa informação remetida aos deputados municipais, que “infelizmente [a resposta do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas] reitera a opção do Governo de não previsão de suspensão de portagens”.

O presidente da câmara salienta que o executivo municipal “conta apresentar este ano um estudo técnico que concretiza as vantagens económicas e ambientais em cancelar o contrato” de concessão da A19 e em resultado “diminuir os encargos financeiros do Estado com esta parceria público-privada”.

No esclarecimento aos deputados municipais, Paulo Batista dos Santos destaca que a resposta do Governo “não pode iludir as condições financeiras desastrosas para o Estado” da concessão da A19 - um encargo anual de 140 milhões de euros -, que “justificam o seu regresso à gestão pública, ou sequer esmorecer o objetivo do município de suspensão de portagens na defesa ambiental” do mosteiro.

Na resposta à pergunta de “Os Verdes”, o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas esclarece ainda que a obra frente ao mosteiro resulta de “um acordo assinado em agosto de 2017 entre a Infraestruturas de Portugal e o Município da Batalha com vista à instalação de uma barreira acústica e à construção de uma ecovia ladeada de elementos arbóreos, entre o km 112+240 e o km 112+780 da EN1, sentido sul-norte”.

“Esta obra tem por objetivo a salvaguarda dos impactos da poluição do ar e sonora sobre o monumento, tendo o respetivo projeto de execução sido elaborado pela autarquia, entidade responsável pelo lançamento e execução desta empreitada”, conclui o ministério.


NESTA SECÇÃO

Refeições dos alunos viram “caos insuportável”

O Ministério da Educação prometeu intervir no caso das refeições servidas na Escola Básica e...

Casal de burlões da Batalha acusado de 50 crimes

Um casal residente na Batalha foi acusado pelo Ministério Público (MP) de Leiria da prática ...

Parlamento analisa estudo sobre redução do ruído

O estudo do Laboratório de Ruído e Vibrações que confirma a evolução positiva dos níveis do ...