Célia Ferreira

AMHO A Minha Horta

Bardana: planta medicinal contra o míldio

O mês de junho trouxe-nos finalmente a primavera e, nesta altura, a natureza está ainda mais exuberante e cheia de vida, observêmo-la e contemplêmo-la, que nela residem muitos ensinamentos.

No meu quintal, nas zonas onde as ervas crescem livremente proliferam os pirilampos e os grilos. À noite costumo ficar uns momentos na varanda a contemplar a melodia dos pirilampos, o coaxar das rãs, e é tão bom! Simples, magnifico e revigorante.

Uma das preocupações da época é o míldio, que pode aparecer nos tomateiros e nos batatais. Existe selvagem nalguns locais por aqui uma planta que se dá bem em terrenos mais calcados e pedregosos, de seu nome bardana (Arctium Lappa) - é uma planta medicinal da qual se aproveita tudo, da raiz às folhas, mas que deve ser usada com alguns cuidados.

Na horta funciona muito bem como preventivo e curativo do míldio. Muito simples de preparar, basta colher folhas de um ano da planta, colocar em água, numa vasilha de plástico, e deixar a macerar por 5-6 dias, coar e pulverizar as plantas com esse preparado diluído em dois por 10, como preventivo, e quatro por 10 como curativo. Este preparado pode ser guardado em local escuro por seis meses. Como solução mais acessível, pode também pulverizar-se com leite diluído em água. Todos estes preparados devem de ser aplicados ao final do dia, para evitar o efeito do calor intenso do sol, que pode alterar a sua eficácia.

Voltando ao tema das consociações, uma das que produz resultados comprovados na horta é colocar manjericão ou manjerico próximo dos tomateiros, faz com que produzam mais frutos e com melhor sabor. Fazem também excelente companhia na panela e no prato, na próxima salada de tomate, experimente adicionar folhas de manjericão ou manjerico (que também é comestível). No tacho sempre que uso tomate adiciono o manjericão (seco ou fresco). O manjericão tem ainda a capacidade de potenciar a boa disposição, que é sempre tão desejada.

Hortícolas para semear e/ou plantar ao ar livre: Abóboras, acelgas, agriões, aipo, alfaces, alho francês, batata doce, beringelas, beterrabas, beldroegas, Beterrabas, broculos, cebolinha francesa, cenouras, coentros, couves-flôr, couves-repolho, couve-rábano, courgetes, endivias, espinafres, feijões diversos, malaguetas, melancias, meloas, melões, milho, nabos, Pepinos, pimentos, physalis, salsa, tomates, rabanetes, rúcula.

Jardim, semear e/ou plantar: begónias, calendualas, gipsofilas, goivos, miosótis, prímulas.

Semeia e cria e viverás com alegria!

 

Na horta aprendemos a semear, cuidar, esperar para colher.

 


NESTA SECÇÃO

Há mais vida para além do mosteiro…

Está adaptação da conhecida citação atribuída ao ex-presidente Jorge Sampaio – “há mais vida...

Transferência de competências do poder central para o local

Por princípio e por experiência, sou favorável a todas as diligências que permitam prestar s...

Sem medos

Caro/a (s) Munícipes da Batalha, permitam-me que comece este artigo citando aqui a grande mu...