A Opinião de António Lucas

Ex-presidente do Município da Batalha

Baldios

Recentemente, a população da freguesia do Reguengo do Fetal movimentou-se ativamente a pretexto da intenção de instalação de uma pedreira, em local inadequado. Ficou mais uma vez provado que uma decisão antes tomada, sem conhecimento da população, levou os seus intervenientes a darem o dito por não dito, em alta velocidade, sendo a favor antes, passaram a ser contra depois.

Este movimento popular gerou um resultado positivo para a freguesia, uma vez que o local era completamente inadequado. Em simultâneo fiquei com a esperança que os líderes do movimento tivessem por intenção a continuação da defesa das populações e dos seus interesses, passando a efetuar uma efetiva gestão dos baldios da freguesia, mormente com a implementação de projetos que rentabilizassem e protegessem a floresta da freguesia. Só assim se entenderá a existência de uma comissão de compartes de baldios ativa, atuante e preocupada em proteger os terrenos e património de todos os compartes. Claro está que isto dá trabalho e necessita de competências que presumo quem se candidatou e aceitou os lugares nos órgãos sociais terá.

Porque a não ser assim, então o melhor será não mexer, pois as contas da freguesia são auditadas e controladas pelo executivo, pela assembleia, pelo Tribunal de Contas e pela IGF - inspeção geral de finanças e as da comissão de compartes serão auditadas por quem?

Continuo a achar e a desejar que se pegue de frente no problema da floresta e dos incêndios florestais, implementando as ZIF - zonas de intervenção florestal, única forma de rentabilizar e proteger a floresta, acabando com os incêndios e com o negócio que gravita à sua volta, só que isto dá trabalho e chatices e não obstante a assembleia municipal da Batalha ter aprovado por unanimidade emfevereiro de 2014 uma proposta que incumbia a câmara a avançar com o projeto das ZIF, que se saibam até hoje "nada se sabe". Assim sendo, a constituição desta nova comissão de compartes deixou-me alguma esperança de que seria desta que teríamos na freguesia e no concelho o arranque de um projeto que valorizasse a floresta e a protegesse, bem como aos residentes da freguesia e acabasse com os famigerados fogos florestais. Eu acho que mais gente existe com a mesma esperança que manifesto. As mais de três centenas de compartes que participaram nas reuniões tem essa esperança. Certamente não os irão desiludir.

 


NESTA SECÇÃO

Quem vier cá a casa leva sempre algo no regaço

O mês de agosto é para os hortelãos o mês da abundância, é época em que quem vier cá a casa ...

14 de Agosto – o dia da Batalha de Aljubarrota e da morte do rei que a comandou

No mês em que se celebra a Batalha de Aljubarrota, recordamos o rei que a comandou, no dia 1...

Os nossos “amigos” ingleses

Para os batalhenses, agosto costuma ser um mês especial, dadas as afamadas festas anuais, se...