Francisco Oliveira Simões (Historiador)

Crónicas do Passado

Artigo Procura-se!

“Artigo procura-se! Que se apresente legível e bem humorado, sem contrariedades e de leveza natural, mas sempre com uma temática que nos faça pensar”.

Este anúncio foi colocado nos jornais portugueses por mim, para meu grande enfado. A criatividade não desponta numa centelha de luz todos os meses, por isso, procurei algum artigo disposto a colaborar comigo. Iniciei as entrevistas há algum tempo e estes são os candidatos que se demonstraram interessados.

Artigo Terreno:

- Eu conto a história de um marginal que vive a leste da sociedade e que passa os dias a pensar na desgraça do mundo – disse-me um artigo emproado e de vestes amarrotadas, enquanto limpava os óculos de massa.

- Mas onde podemos encontrar humor ou sátira? – perguntei.

- Em nada, o mundo é negro e o leitor tem de compreender essa fatalidade. Todos somos astros da mesma constelação: a desgraça lapidar do univ…

- Vejo no seu currículo que já trabalhou com um reputado escritor alentejano.

- Na verdade, ele é que trabalhou comigo.

Artigo Celeste:

- Decidi vir aqui hoje, porque os planetas pareciam alinhados e as estrelas indicavam que seria este o meu destino – relatou um artigo aluado e de sorriso estampado no rosto.

- Qual a sua narrativa? – inquiri.

- Transporto comigo a confiança no amanhã e as energias positivas.

- Mas há um fio condutor?

- Há frases e pensamentos que vão despertar o leitor para um lugar melhor.

- Qual?

- A terra da felicidade.

Artigo Quotidiano:

- Estava a passar e reparei que precisam de um artigo?

- Sim, entre, por favor – convidei, puxando uma cadeira. – O que nos tem a contar?

- Trago a história de uma família portuguesa a braços com os seus problemas habituais e as multas de estacionamento.

- Não estou a compreender onde está o mote para criar um conto empolgante e que motive os leitores.

- Não há nada mais cativante que a identificação do público com os personagens da literatura.

- Mas o fascínio da literatura está no facto de poder extravasar as barreiras do real e da mundanidade – expliquei.

- Mas ainda não ouviu toda esta heroica aventura.

- Deixe-me adivinhar, a família vai atravessar a pandemia junta e enfrentar todos os dramas associados a essa desgraça mundial.

- Pois… Como sabe?

- Leio os jornais.

E assim, não encontrei um artigo que achasse digno de ocupar este espeço cronístico, que já escrevo há cinco anos. Muito obrigado a todos os leitores que me acompanham nesta jornada, tem sido um prazer poder escrever com tanta liberdade.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...