Armas e elmos dos reis expostos no mosteiro

Uma exposição intitulada "A Capela do Fundador - Memória Revisitada", que inclui uma espada e elmos originais de reis, é inaugurada na terça-feira, 14, no Mosteiro da Batalha, no âmbito das cerimónias do dia do município.

Uma espada de D. João I e os elmos de D. João II e do príncipe D. Afonso (também atribuídos a D. João I e a D. João II, respetivamente), ficam expostas durante um ano, no lugar onde permaneceram até cerca de 1810.

Trata-se de três peças originais de grande valor histórico, patrimonial e memorialista, muito bem preservadas.

Para além destes objetos originais, foram feitas reproduções da espada de D. João II (a partir dos desenhos do Domingos Sequeira - C. 1800) e do seu escudo de torneio.

“Este é um dos principais projetos expositivos do corrente ano, que permitirá o 'retorno' de alguns objetos que até 1810 estavam patentes na Capela do Fundador, à vista de todos. São objetos que têm um significado quase diria “transcendente”, porque foram utilizados pelos reis fundadores”, destaca Joaquim Ruivo, diretor do Mosteiro da Batalha.

A exposição resulta de uma parceria entre o Museu Militar de Lisboa/DHCM e o Mosteiro da Batalha/DGPC, com o patrocínio da Câmara da Batalha, Seguros Lusitânia, Caixa de Crédito Agrícola da Batalha, Golpifer e Vidros Cerejo.


NESTA SECÇÃO

Festival gótico leva Ashram ao mosteiro

Os napolitanos Ashram dão um concerto gratuito no Mosteiro da Batalha, a 29 de agosto, na ab...

Banda com raízes no concelho vence concurso internacional

A banda canadiana Social Hysteria, dos irmãos George e Alexandre Lopes, que têm ligações ao ...

Travaços Santos é sócio da Sociedade de Geografia

O investigador batalhense José Travaços Santos recebeu o Diploma de Sócio Correspondente da ...