A Opinião de Augusto Neves

Jurista e presidente da Concelhia da Batalha do PS

Abrangência distrital e não apenas na faixa junto ao mar

O Partido Socialista encontra-se este fim de semana em eleições distritais [adiadas sem data, no dia 12 de março, segundo comunicado do PS], nas quis será eleito o presidente da federação distrital e outros elementos, mas vamos centralizar a situação no presidente.

Como é sabido o atual presidente não foi a votos em virtude de ter substituído o presidente anterior, nomeado para desempenhar funções governamentais. Até aqui tudo normal.

Nos últimos anos o PS tem vindo a perder imensos militantes sendo que a responsabilidade tem de ser imputada a quem dirigiu a estrutura federativa.

Este fenómeno parece ser desconhecido dos presidentes, uma vez que desprezam parte significativa da distrital. Acham eles que o que interessa não é o partido crescer, mas sim unicamente a sua eleição.

Tanto assim é que o atual presidente e candidato nunca entrou em contacto comigo para abordar as questões concelhias. Porventura não terei sido o único a ser marginalizado. Eu bem sei que a minha inquietude incomoda várias pessoas, mas enfim.

Temos que pôr o partido acima de tudo isto.

Quem quer ser presidente tem de garantir alguns pressupostos se eleito for. O presidente da federação é a ligação com o Governo e com a estrutura nacional do partido. E tem de incluir nas suas listas militantes que estejam próximo de serem candidatos, sobretudo às autárquicas.

Um outro aspeto é a abrangência a nível distrital, pois não vale apenas a faixa junto ao mar. E outro espeto é a capacidade de cada um dos militantes que integram a candidatura e que depois vão gerir a federação. Fiquei verdadeiramente estupefacto quando me vieram convidar para apoiar o candidato Pereira dos Santos e abordaram a outra candidatura.

E eu disse: mas há mais algum candidato?

É que a concelhia não foi contactada?

Não ele já falou com alguns elementos.

Como?

Falou com alguns elementos, mas não falou com o presidente da concelhia?

Pois.

E é infelizmente este comportamento que tem servido apenas para eleger uns e outros, afundando cada vez mais o partido.

O meu apoio ao candidato Pereira dos Santos prende-se com o facto de já o conhecer há mais de 25 anos, como pessoa séria, credível, ética e sobretudo tem muita vontade de ser eleito, mas sem precisar de tal cargo, pois tem a sua vida mais do que orientada.

Desconheço o autor da carta que foi distribuída acusando o outro candidato de um conjunto de comportamentos que a serem verdade configuram a prática de criminologia. Mas não farei mais comentários, a não ser que gostava que o visado se pronunciasse sobre os documentos divulgados, mas enfim ele lá saberá das suas razões.

Mas vamos em frente fazendo um apelo a quem for eleito que depois disso recaia no espírito dos estatutos do partido e na sua carta de princípios que talvez nunca tenham lido porque caso contrário interpretaram incorretamente o espírito de tais documentos.

O Partido Socialista tem condições a nível governamental para a nível local crescer, mas crescer a sério. Porque ter um Governo destes que retirou o pais da sua lamentável situação e agora estabiliza a situação económica, social e empresarial, mais não pode que não seja tirar proveito dessa situação.

Porque não é todos os dias que isso acontece.

Mas vou dar outro exemplo grandessíssimo de como o espírito de todo o partido viola os princípios estatutários: teve lugar no último congresso realizado como se sabe na Batalha .

Nessa altura questionei a COC sobre se poderia usar da palavra enquanto presidente da concelhia e sem prejuízo do discurso do presidente da federação, foi-me dito que não é tradição e que também essa tradição não ia ser alterada neste congresso.

Haja paciência.

 


NESTA SECÇÃO

O impacto da Covid-19 na sociedade e o papel das lideranças

Numa altura em que se vive uma crise mundial associada à pandemia da Covid-19, provocada pel...

Não matem o mensageiro

A maioria de nós começa esta semana, de 13 a 17 de abril, a completar o primeiro mês de isol...

Covid-19: um vírus que assusta, uma sociedade que reage

O tema do Coronavírus (Covid-19) é incontornável e a sua evolução irá por certo dominar as p...