Joana Magalhães

Pestanas que falam

365 novas páginas em branco

“Ano novo, vida nova”. Afinal, qual é o real significado deste velho provérbio quando o ano no calendário passa de 2017 para 2018? São os amigos que mudam, é a família, o trabalho, a rotina ou alteram-se simplesmente os nossos objetivos?

Não, não é nada disso. “Ano novo, vida nova” é apenas motivação. É olhar para os dias em frente e pensar que são 365 novas páginas em branco que podemos escrever da maneira que quisermos, julgando que todas as 365 páginas que ficaram escritas para trás não influenciam em nada.

Um novo ano é apenas uma nova motivação. Como que uma lufada de ar fresco que nos faz inscrever no ginásio, comer comida saudável, empenharmo-nos mais no trabalho, dizer à família e ao namorado o quanto gostamos deles e ir mais vezes beber uns copos com os amigos. Isto, pelo menos até ao final de janeiro.

Em fevereiro tudo muda. A motivação já lá vai, a rotina já voltou, os objetivos foram esquecidos e tudo regressou à “normalidade”.

Neste novo ano posso realmente dizer que muita coisa mudou. No dia 1 de janeiro regressei a casa dos meus pais. As malas ocupavam a entrada de casa no primeiro dia de 2018. Suponho que isso também simbolize o “ano novo, vida nova”, talvez até seja a representação mais próxima do seu verdadeiro significado.

2017 foi um ano de muitas conquistas: uma licenciatura e o meu primeiro emprego. 2018 deverá ser um ano de muitas mais concretizações. Pelo menos por enquanto, que ainda estamos em janeiro e a motivação está ao rubro. Depois disso, passa a valer a resposta tão portuguesa: logo se vê.


NESTA SECÇÃO

Música fácil, mas só na aparência

Muito em voga nas décadas de cinquenta e sessenta do século XX, o Easy listening, também con...

Gestão pública e orçamentos

Estamos em época de aprovação de orçamentos, quer do Estado, quer das autarquias. Como já...

Uma horta biológica também precisa de ser “alimentada”

O outono e, para mim, como se nos convidasse ao recolhimento e este ano até é “obrigatório” ...