António Lucas

A Opinião de António Lucas

Se retrocedesse 28 anos faria exatamente o mesmo

 

Volvidos 28 anos após o início da minha ligação direta à autarquia batalhense, é tempo de uma palavra de despedida. Foram quatro anos como vereador, mais quatro como vice-presidente, somando mais 16 como presidente e finalmente, adicionados mais quatro como presidente da assembleia municipal.

Durante todos estes anos, em lugares de alguma sensibilidade, posso convictamente dizer que valeu a pena, que o balanço é muito positivo e que se retrocedesse 28 anos para optar novamente, faria exatamente o mesmo. Lidei com muita gente de diversos extratos sociais e de outros tantos quadrantes políticos e atrevo-me a dizer que fiz muitos amigos, alguns dos quais ficaram para a vida e um ou outro inimigo, como será normal nesta e em muitas atividades.

Ao longo dos 24 anos em que tive a meu cargo funções executivas, o concelho evoluiu muito e os indicadores económicos e sociais são claros nesta matéria, basta consultá-los. Não pretendo com isto reclamar louros, que não me são devidos, mas sim agradecer a um conjunto alargado de pessoas, porque sem elas os resultados seriam muito diferentes, para pior.

Começo por aqueles que mais contribuíram para o sucesso obtido, concretamente, os colaboradores da câmara da Batalha e da Iserbatalha. É usual ouvirmos dizer mal dos funcionários públicos, mas neste caso concreto quem o fizer que se está a cometer uma tremenda injustiça. Em paralelo, coloco os meus vereadores. Todos eles, sempre corretos, empenhados e de uma lealdade e competência a toda a prova. Lealdade, que era reciproca, fator chave para qualquer equipa funcionar bem. Os indicadores atrás referidos, devem-se muito mais a eles do que a mim. Mas devido a esse excelente ambiente de trabalho, que conseguimos implementar, à confiança e ao respeito mutuo, os projetos de elevado valor foram aparecendo, tais como a Pia do Urso, o museu, os projetos da biblioteca, o centro de BTT, os apoios sociais inovadores, o baixo custo dos serviços prestados, o baixo nível de impostos locais, a musicoterapia, a zona desportiva, a unidade de cuidados continuados, etc.

Continuo, agradecendo aos deputados municipais, aos presidentes e executivos de freguesia, aos presidentes e executivos dos bombeiros, IPSS e coletividades, aos diretores e equipas do agrupamento de escolas, aos quais junto muitos elementos de departamentos do poder central e um realce especial à equipa da ADAE e da AMAE/AMLEI.

Por fim um agradecimento especial a todos os cidadãos do concelho, pela sua capacidade empreendedora, que muito contribuíram, para que a minha gestão municipal, tivesse sido muito facilitada.

Termino, como comecei.

Até já.

 


NESTA SECÇÃO

A rede social

  Quando era miúdo tinha uma rede social. E a minha mãe estava mais informada do que o jo...

Regime de conversão dos valores mobiliários

  A Lei n.º 15/2017, publicada em 3/5/2017, veio impedir a emissão de valores mobiliários...

Trabalho, casa e futebol ao domingo de manhã

  O futebol já não é o que era para mim. Quando era (mais) miúda gostava de futebol porqu...