Clube de Alcanadas apanhado em polémica com o Benfica

Luciano Gonçalves pediu “50 bilhetes baratos” ao clube da luz, para oferecer ao “avós e netos” da localidade. O presidente da mesa da assembleia geral do Centro Recreativo de Alcanadas (CRA) e da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves, foi envolvido numa polémica por ter pedido “50 bilhetes baratos” ao Benfica, para oferecer ao “avós e netos” da localidade.

“Eu sou presidente da mesa da assembleia geral da coletividade Centro Recreativo de Alcanadas e juntamente com a direção queríamos proporcionar um dia diferente a avós e netos da localidade”, lê- -se num email divulgado pelo FC Porto e que Luciano Gonçalves terá enviado Ana Paula Godinho, relações públicas do Benfica, no dia 10 de abril.

A intenção do dirigente era “levá-los [avós e netos] de autocarro a um jogo no Estádio da Luz, pois muitos deles nunca tiveram a oportunidade de entrar num estádio de futebol, por este motivo vinha solicitar a vossa ajuda neste pedido.

Solicitava 50 bilhetes para um local por si sugerido, mas tendo em conta que solicitava bilhetes baratos, pois será oferta nossa à população”, adianta o documento. Mas o que fez estalar a polémica foi a troca de emails interna, em que Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, terá escrito: “O presidente da APAF não é de confiança total... e tem feito “oposição” a algumas situações do nosso interesse.

Porém, nunca é bom tê-lo contra, tanto que será uma das testemunhas a ser ouvida em processo do nosso interesse. Por outro lado, e para que amanhã não nos acusem de oferecer bilhetes à APAF, a Ana Paula Godinho que solicite o email do Centro Recreativo de Alcanadas para informar que o SL Benfica irá oferecer os 50 convites”. “Na boa fé, com que sempre pautei a minha conduta, pessoal e profissional, negligenciei momentaneamente, o facto de que o futebol português tem sido, por estes dias, um local feio para estar”, reconheceu a 20 de abril o presidente da mesa da assembleia geral dCentro Recreativo de Alcanadas.

Luciano Gonçalves acrescenta: “Não admito - e nunca admitirei - ser usado como arma de arremesso, numa guerra que não é minha nem da arbitragem portuguesa!”. “Que fique bem claro, para todos: não sirvo interesses de ninguém e tenho uma única missão, que cumpro com a máxima verticalidade: servir a arbitragem e os árbitros de futebol em Portugal!”, exclama Luciano Gonçalves, frisando: “Sou independente! Tenho muitos anos no sector, vários como presidente de Núcleo de Árbitros de Futebol de Porto de Mós e outros tantos como dirigente da APAF”.

Luciano Gonçalves é sócio do Centro Recreativo de Alcanadas há 27 anos. A coletividade tem 500 sócios e a intenção do dirigente seria apenas “efetuar a compra de bilhetes para um evento desportivo há muito pedido e desejado pela esmagadora maioria dos sócios.


NESTA SECÇÃO

Casimiro Gomes, presidente do AC Batalha “Precisamos de pista com piso sintético"

O Atlético Clube da Batalha (ACB) tem mais de uma centena de atletas, desde os benjamins aos...

Batalha recolhe bens para a Loja Social

A Farmácia Ferraz, em parceria com o Atlético Clube e a Loja Social da Batalha, está a organ...

Sub-20: Quinta do Sobrado disputa 1ª nacional de futsal

O Centro Cultural e Recreativo de Quinta do Sobrado e Palmeiros (CCRQSP), na Batalha, vai di...